Guerra na Ucrânia: pão pode ficar mais caro no Brasil - Guia Ponto Novo | Comércio e Notícias

Ads

Clique Aqui e conheça nosso Guia Comercial

Guerra na Ucrânia: pão pode ficar mais caro no Brasil

Compartilhar


O confronto que envolve Rússia e Ucrânia deve gerar consequências que vão impactar produtos básicos do nosso dia a dia, como é o caso do pão, alimento milenar. Tudo isso por causa do trigo que é produzido nos dois países e importado pelo Brasil. A alta no barril do petróleo pode impactar também nesta situação.

Existe uma incerteza sobre o percentual da alta e isso depende do tempo de duração desse conflito. O dólar também deve ser levado em conta, partindo do princípio do comportamento da moeda. Após recuar a R$ 5 na quarta-feira, 23, o dólar subiu a R$ 5,10 nesta quinta, 24.

De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Trigo (Abitrigo), o Brasil é um dos maiores importadores do produto no mundo, sendo assim precisa buscar em outros países, especialmente a Argentina, 60% do que consome.


De acordo com a entidade, a previsão é que nos próximos quatro ou cinco meses o preço continue subindo, para estabilizar ou cair a partir de julho/agosto, quando começará a entrar a safra do hemisfério norte. A associação não prevê a possibilidade de desabastecimento nos próximos meses, pois as negociações da atual safra já foram efetuadas.

Portanto, quando existe conflito que envolve gigantes do setor, como os casos de russos e ucranianos, o mercado fica abalado. Neste ano, os embarques rumo ao Brasil somarão 6,5 milhões de toneladas, 85% deles provenientes da Argentina.

Logo na abertura do mercado na cidade norte-americana, o trigo atingiu US$ 9,26 por bushel (27,2 quilos), 5,7% mais que o fechamento da véspera.

Outro problema que pode encarecer o trigo –e outras culturas– é a incerteza em relação aos fertilizantes. A Rússia está entre os maiores produtores de cloreto de potássio e outros produtos nitrogenados para fertilizantes.

O setor de panificação projeta que os aumentos que já têm ocorrido nos últimos meses vão seguir, mas ainda por efeito da oscilação cambial, não da guerra.

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada afirma que, embora os países envolvidos diretamente na guerra sejam Rússia e Ucrânia, os preços da Argentina vão subir, o que impacta no Brasil.

Fonte: https://atarde.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo conteúdo dos comentários é de responsabilidade de seus autores.

Não pretendemos limitar a sua expressão de ideias, contudo não use o espaço de comentários como palanque para proselitismo político, calunioso, ideológico, religioso, difamatório, para praticar ou difundir posturas racistas, xenófobas, propagar ódio ou atacar seus desafetos. caso aconteça poderá ser removido à discrição da gestão do site.

Post Bottom Ad

Condomínio Sol Lar Chácaras em Ponto Novo
Grupo JV Empreendimentos Pindobaçu
clique aqui e conheça