CPI da Covid: servidor diz em depoimento que disse a Bolsonaro nomes de três pessoas que o pressionaram - Guia Ponto Novo

Ads

Clique Aqui e conheça nosso Guia Comercial

CPI da Covid: servidor diz em depoimento que disse a Bolsonaro nomes de três pessoas que o pressionaram

Compartilhar
O chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, afirmou nesta sexta-feira (25) em depoimento à CPI da Covid que informou ao presidente Jair Bolsonaro os nomes de três pessoas que o pressionaram a liberar a importação da vacina Covaxin.

A vacina, produzida na Índia, é a mais cara negociada pelo governo até agora, e as negociações são alvos de investigações da CPI e do Ministério Público.

Segundo o servidor do ministério, o encontro com o presidente da República aconteceu em 20 de março no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Ainda de acordo com Luis Ricardo Miranda, o irmão dele, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), também participou.

Segundo o servidor, a pressão para liberação da Covaxin partiu de:
  • Alex Lial Marinho, à época coordenador-geral de Aquisições de Insumos Estratégicos para Saúde;
  • Roberto Ferreira Lima, diretor do Departamento de Logística em Saúde da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde;
  • Marcelo Bento Pires, diretor de Programa do Ministério da Saúde.
Conforme Luis Ricardo Miranda, após ter recebido o relato, Bolsonaro disse que iria tomar providências e acionar a Polícia Federal.

"Ele [Bolsonaro] se comprometeu a acompanhar, através do diretor-geral da Polícia Federal, e apresentar para uma investigação para verificar se existia algo ilícito", disse o servidor.

O que diz o governo

Em uma transmissão ao vivo em uma rede social, nesta quinta (24), Bolsonaro confirmou ter se reunido com o deputado Luis Miranda, mas acrescentou que o parlamentar não relatou a ele suspeitas de corrupção envolvendo as negociações pela Covaxin.

Também na quinta, no entanto, um grupo de senadores aliados do governo – integrantes da CPI da Covid – disse que, após ter sido informado das suspeitas, Bolsonaro acionou o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Um dia antes, na quarta (23), o ministro da Secretaria-Geral, Onyx Lorenzoni, disse que o governo iria pedir a investigação dos irmãos Miranda por denunciação caluniosa.
Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, em depoimento à CPI da Covid
Foto: Pedro França/Agência Senado

O depoimento à CPI

Aos senadores, o servidor da Saúde disse que, durante a execução do contrato da vacina Covaxin, recebeu diversas mensagens e ligações cobrando a liberação do imunizante, o que não aconteceu com vacinas de outras farmacêuticas.

Segundo Luis Ricardo, foram constatadas irregularidades e cobranças indevidas na proposta enviada pela vacina, "erros primários", disse, que travaram o processo. A cúpula da CPI suspeita que uma empresa de fachada foi indicada para receber parte do recurso do pagamento do imunizante.

O servidor disse que no dia 19 de março, uma sexta-feira, Marcelo Bento Pires enviou uma mensagem às 23h em que dizia: "Meu amigo, estamos com muitos brasileiros morrendo. Precisamos fazer tudo para ajudar. O representante da empresa veio agora à noite falar com o Elcio [Franco, ex-secretário executivo da pasta] para agilizar a LI [licença de importação] para encaminhar as vacinas esta semana, quatro milhões."

Na sequência, ele encaminhou o contato de um coordenador da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) e de Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, empresa usada como intermediária na venda da Bharat Biotech ao país. A Precisa é investigada pelo Ministério Público.

Já sobre Alex Lial e Roberto Ferreira, superiores diretos do servidor, Miranda disse que recebia ligações perguntando "se acionou a empresa", "se já conseguiu a documentação", "se já foi protocolado na Anvisa". "Sempre um andamento, mas com bastante constância", afirmou.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todo conteúdo dos comentários é de responsabilidade de seus autores.

Não pretendemos limitar a sua expressão de ideias, contudo não use o espaço de comentários como palanque para proselitismo político, calunioso, ideológico, religioso, difamatório, para praticar ou difundir posturas racistas, xenófobas, propagar ódio ou atacar seus desafetos. caso aconteça poderá ser removido à discrição da gestão do site.

Post Bottom Ad

Condomínio Sol Lar Chácaras em Ponto Novo
Grupo JV Empreendimentos Pindobaçu